sábado, 27 de fevereiro de 2016

Para evitar Calote, o Governo pode aumentar a Inflação







O Brasil, a 8º economia do mundo, com um PIB de 1,9 trilhões de dólares, teve sua nota rebaixada recentemente por varias agências. A Moody's por exemplo, rebaixou a nota do Brasil em dois degraus na última semana, levando o País de Baa3 para Ba2 justificando que a dívida do governo continuará aumentando durante 2016-2018 e provavelmente excederá 80% antes de se estabilizar. Por conta disso, a NCH consultoria diz que se o Brasil continuar nesse caminho, poderemos falar de um default soberano em 2017.

Se continuar esta crise política e este desarranjo econômico, nosso país em pouco tempo, não conseguirá honrar suas dividas, podendo ocorrer o famoso Calote.

Muitos economistas tem destacado a tendência de forte alta da dívida pública. De uma relação de 53,8% da dívida pública bruta em relação ao PIB em dezembro de 2012 para uma relação de 66,2% em dezembro do ano passado.

A dívida do Brasil vem crescendo quase 15 pontos do PIB em apenas 24 meses (de 51,7% em dezembro de 2013 para os 66,2% no final de 2015). E, dificilmente dá para se acreditar que a dívida vai continuar neste patamar. As projeções de mercado já apontam para estimativas que vão de 80% a 90% do PIB.

A dívida do Brasil está ficando insustentável, há uma percepção crescente entre os investidores locais e entre os analistas de que o Brasil está em uma trajetória que acabaria levando à insolvência financeira a médio prazo.

Se o atual governo não corrigir este problema, o calote até pode acontecer, mas a possibilidade de calote ainda é remota, uma vez que, antes de tal fato venha a se concretizar, há inúmeras possibilidade para se ganhar tempo.

Hoje 95% do estoque da dívida pública federal é em reais e apenas 5% em moeda estrangeira, uma vez que o Estado possui o monopólio da emissão de moeda, para evitar o calote, o governo imprime mais moedas, só que poderá gerar a temida Inflação.

Vários economistas, tem apoiado a ideia que o governo deve optar no curto prazo pelo caminho da inflação. Eles emitiriam mais dívida, imprimiriam dinheiro, mas não fariam um calote.

Uma inflação alta perto de 15% ao ano puxa o PIB nominal e dilui, temporariamente, a relação divida/PIB, só que quem sofre é os consumidores, pois tudo aumenta os preços e o dinheiro fica desvalorizado.

As autoridades terão que mostrar vontade ou força política para lidar com estes desafios crescentes. O tratamento do crescente desequilíbrio financeiro será muito difícil, isso porque a economia dificilmente pode tolerar uma carga fiscal mais elevada e o corte de gastos é difícil dada a rigidez da despesa corrente e há a falta de vontade política para reduzir o tamanho do setor público.

Para evitar o calote e também a inflação o governo tem ainda outra possibilidade, seria a venda de grandes ativos do governo ou seja a privatização de estatais.

O governo não está insolvente porque tem muito ativo para ser privatizado, se o País estiver em uma situação de escolher entre privatização e insolvência, que significaria ver fechadas as possibilidades de receber crédito do exterior, o Planalto acabaria escolhendo a primeira opção. Um cidadão que está insolvente porque perdeu o emprego ainda pode vender o carro ou algum dos seus imóveis, mesmo que se esgotem as suas opções de crédito no mercado e ele não consiga uma renegociação com seus credores. Com o governo é a mesma coisa.

Portanto de acordo com especialistas no assunto financeiro, os brasileiros podem se preparem para mais inflação e/ou mais carga tributária porque será impossível cortar as despesas de 4 a 5 pontos do PIB para voltarmos a ter superávit primário na casa de 3% do PIB até 2018/2019.

Com Informação : InfoMoney

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Marcadores

1 milhão na conta Ações Ações ON Ações PN Adsense África Agrotóxico Alergia Alienígenas Alimentação Alimentos Amoníaco Antigo Testamento Anvisa Aposentadoria Arrebatamento Auxílio a Lista Batata Benzeno Bíblia BMPO Brasil Canabidiol Capitalismo Carmim de cochonilla Carne Carros CDB CDI Cemig Certidões Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) Construção Conta de Água Conta de Luz CPMF Crise Econômica Cristão Debênture Depressão Deputados Dinheiro Dinheiro recebidos do Exterior Dinossauro Dívidas Dízimo Documentos roubados Economia Egito ENEM Esgoto Evangelhos Gnósticos Febre Amarela FGTS FMI Formaleído. Ar Fosfoetanolamina Fundo de Índice (ETF) Fundo de Investimento Imobiliário Fundo Partidário Futebol Futurismo Game of Thrones Garantia Gorduras Horário de Verão ICMS Imóveis Impeachment Imposto Imposto de Renda 2015 Inflação Inovação Inseto Intercambialidade Intoxicação alimentar Investimento IRPF Jesus Judeus Judeus Sefarditas LCA LCI Lei Leite Livro de Reto Lua Marte Medicamento de Referência Medicamentos Controlados Medicamentos Similares Messias Multas de Trânsitos Nasa Natureza Nefilins Novo Testamento ONU Ouro PASEP PIB Pirâmides PIS PIS 2014 PIS 2015 Pokémon Go Política Poluição Poupança Produtos controlados Programa Farmácia Popular do Brasil Queijo Refrigerante Registro de Imóvel Religião RMNRA RMNRB2 Sábado Salário mínimo Saúde Sedentarismo Seguro-Desemprego 2015 Serviços Gratuitos SNGPC Sol Tecnologia Teorias Terra Terra Plana Tesouro Direto (Títulos Públicos Federais) TPM Trabalho Transtorno Bipolar Tricloroetileno Tubarão Branco Usiminas Veículos Xileno